Calendário

Maio 2016
DomSegTerQuaQuiSexSab
 << <Set 2017> >>
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Anúncio

Quem está conectado?

Membro: 0
Visitante: 1

rss Sindicação

Visualização dos artigos postados: Maio 2016

09 Maio 2016 


João De Sousa Costa‎ para Amigos das Artes Cênicas
(Paraíba)



6 de maio às 22:04 · 



Peça “Espanta Gato”, de Luiz Maranhão Filho, direção de Jacinto
Moreno.2001. Em cena Carlos Apollo, Pupa Dias e Cristina Cabral. Oficina de
Artes de Santa Rita. Jacinto é diretor de teatro e Cinema. Meu primeiro contato
com ele foi num curso de teatro que ministrei em Mossoró. Depois, nos
encontramos num congresso em Belo Horizonte. De novo, nos encontramos num mesmo
trabalho em Santa Rita. O curso terminou com dois espetáculos: uma coletânea
para adultos que dirigi, e um espetáculo infantil, dirigido por ele. Os atores
da peça infantil eu não consigo identificar. 
Jacinto Moreno, já assinou trabalhos com pseudônimo de Jack Monero. Influência dos
livros de bolso, a maioria western, escritos por Macial Lafuente Estefânia
(anos 70). Jack Monero trabalha em Santa Rita, cidade que ele projetou
culturalmente num festival na Universidade de São Paulo(USP) e cinema na
Europa, com filme dirigido por ele, lá mesmo, em Santa Rita.



— com Jacinto Moreno.






Foto de João De Sousa Costa.






Foto de João De Sousa Costa.






Foto de João De Sousa Costa.






Foto de João De Sousa Costa.



 




Parte superior do
formulário




Curtir



Curtir



Amei



Haha



Uau



Triste



Grr



Comentar



7Tarcísio Pereira, Roberto
Cartaxo e outras 5 pessoas



Comentários



Joálisson Cunha



Joálisson Cunha Flávia Alencar e Jô Jo Oliveira



Curtir · Responder · 1 · 1 h



Jacinto Moreno



Jacinto Moreno Meu caro amigo, João, meu mestre, Diretor de teatro, Jornalista,
agradeço pelo que fez por mim, pelo que faz por mim... nossa amizade vem de
tempos passados... Deus abençõe voce e toda sua maravilhosa familia... thank
you...




Parte inferior do
formulário




 



Admin · 16 vistos · Deixe um comentário
09 Maio 2016 


 



Filme de Jacinto Moreno  – 
Primeiro Longa Metragem - 70 minutos.



 



Titulo:  APARIÇÃO



Filme/Roteiro e Direção: Jacinto
Moreno



Diretor de Fotografia: Horieby
Ribeiro



Técnico de Som e Luz: Marcos Veloso



Diretor de Arte/Figurinos: Edilete
Bezerra



 



Gravado em João Pessoa (Fazenda
N.S. do Pilar, ( ao lado do viaduto da via oeste) - Igreja da Misericordia,
Igreja convento são Bento) - Santa Rita ( Pátio do Rio )- vilas da usina - do
outro lado do rio ) - Várzea Nova ( Granja ... ) 



Filme baseado em fatos reais e numa
adaptação livre, acontecida entre o período de 13 de Maio á 13 de Outubro de
1.917, no vilarejo, COVA DA IRIA, na cidade de FÀTIMA, PORTUGAL, quando N.S. de
FÁTIMA aparece aos 3 pastorinhos. Na   terceira  Aparição que acontece no dia 13 de julho de
1.917, ela revela  o segredo as crianças
e na última aparição, 13 de Outubro de 1.917,  acontece o Milagre  do sol, isso, todos observam.



13 de Maio de 1.917, primeira
aparição de N.S. de  FÀTIMA aos três
Pastorinhos. Uma justa homenagem a minha querida e já falecida Mãe, por ser
muito devota da Santa, os seus primeiros filhos, recebem o nome de
Jacinto,Francisco e Lúcio.



Em 1.917, em Portugal, sortia o
fervor da guerra, a miséria tomava conta do país, e o povo sofrendo com tudo
isso, a corrupção política dominava a situação e neste exato momento, a Santa
Aparição fala com as crianças para que se comuniquem com os homens e, façam com
que eles se convertam ao cristianismo, pois, só sendo assim, ela faria com que
tudo isso acabasse, mas, só com a fé do povo, que eram incrédulos, isso
chegaria ao final.



As crianças sofrem repressão
psicológicas por parte das autoridades policiais  para que falem mentiras sobre o que elas
viram, mas foram fortes e decisivos:  “ é bem verdade que querem que agente minta,
mas, não vamos mentir, pois, a Santa apareceu pra nós, falou conosco e pediu
que os homens  redimissem de seus pecados,
pois, só assim, a paz ia reinar no nosso convívio”.



Na terceira  aparição, N. S. passa informação as crianças e
pede segredo. Lúcia,  a mais velha, fica
sabendo de sua total responsabilidade e na última aparição, Lúcia faz um apelo,
pois, a dúvida permanecia, o rótulo da farsa se espalhava em todo o povo, pois,
eram totalmente  incrédulos.



O filme mostra a simplicidade
daquele tempo e a falta de recursos, motivos pelos quais faziam aquelas
crianças, que não freqüentavam a escola, a participarem das  atividades do lar, sendo uma delas, a de
pastorear as ovelhas.Uma das vezes que foram ao campo, tiveram o encontro com
N. S. e assustaram, tiveram medo, e acalmados pela mansidão da voz e do
semblante da Santa, recebem instruções a falarem aos homens sobre a paz, amor e
solidariedade que eles, os homens, haviam esquecidos desta verdade. Uma das
crianças revela aos pais  que via a Santa
e a partir



Daí, inicia-se um caminho difícil,
tornam-se vítimas de torturas psicológicas para negarem o fato ocorrido. O
Bispo admira-se pelas informações trazida pelas crianças, sabia ele que eles
não eram estudadas, mas mesmo assim, alimentava em si e na igreja a
incredibilidade.



No meu filme, procuro retratar
alguns pontos do original , não muito profundo no que se diz das guerras, mas
falo sim, da repressão psicológica sofrida pelas crianças, da falta de atenção
e do distanciamento da igreja perante a situação, do isolamento  do clero, e principalmente do fator fé, amor,
doada pelas crianças diante deste convívio 
com a Santa. Faço uma adaptação e comparação dos acontecimento daqueles
dias com os atuais, pobreza, corrupção, e a não aceitação do clero em relação a
isso.



Todos os meus filmes são feitos com
amor, credibilidade em meu DEUS que é o supremo, a força maior neste
universo,  sinceridade, sem dinheiro, em
colaboração com os atores, produtores, pessoas de bom coração que estão comigo.



O figurino trago aos dias de hoje,
no possível que posso fazer dentro das nossas possibilidades. Aqui, deixo o meu
apelo a todos para resgatarmos a fé cristã e voltarmos a ter fé em Deus para
acabarmos com as guerras, mesmo interior, com a miséria sofrida pelo povo e
olharmos para os milagres do nosso dia a dia que continua acontecendo entre os
homens de boa vontade.



Já fiz outros filmes, Curtas, com
Roteiro e Direção, a exemplo de “ O anjo
e a Serpente
, Taxi, Viventes, Uma
Luz no fim do Tunel, Caminhante...



Como Ator, fiz filmes longas:  O
Sonho de Inacin, (
Eliezer Rolin),  Canta Maria, (Ramalho Junior), Arvore de Marcação, (Jussara Queiróz),O Grande Kilapy – Golpe,   (do Angolano Zézé Gamboa, e a Minissérie Geração Saúde 2 com 15
episódios, pela Tv Escola – eu sou ser Romero - 
e curtas:  Agua Barrenta,(
Thiago Penna) Transubstancial, ( Torquato Joel), O Meio do Mundo,( Marcus Villar),  Debaixo dos Lençois,( Mabel Dias),  Mata Sete, (Gláucia Guimarães) etc.



No Teatro, tempo em que dediquei
toda minha vida, escrevi mais ou menos, umas 18 peças, das quais, dirigi  nove e montei outros  autores também.    Jacinto Moreno



 



 



Admin · 4 vistos · Deixe um comentário
09 Maio 2016 


Falando Sério



Falando de Teatro em Santa Rita,
deve-se notar que o Ator e Diretor Teatral, Jacinto Moreno, assumiu a Direção
do Grupo de Teatro OFICINA DE ARTES, criado pelo então Coordenador de Artes, da
Secretaria de Cultura de Santa Rita, GERALDO CORREIA DE OLIVEIRA, no ano de
2.000, era então Secretário de Cultura SOLANGE PALMEIRA. Jacinto Moreno
ministrou cursos de formação Teatral na cidade e assim sendo, montou a Comédia
ESPANTA GATO, de Luiz Maranhão Filho, ( Pernambucano) que participou do
Festival de Teatro da USP- Universidade de São Paulo, obtendo bastante sucesso
pelo público Paulista e pela critica cultural e a peça foi aplaudida em cena
aberta - se diz cena aberta, quando os atores estão em cena e a platéia os
aplaude, - os atores por respeito, param, e, depois do silêncio, retornam a
seus trabalhos - e Santa Rita foi glorificada no patamar da cultura e divulgada
em todos os recantos do Brasil, estava presente no festival gente de todos os
estados brasileiros, representada aqui pelos alunos atores do grupo de teatro
Oficina de Artes, que do Sul do País, da Capital Paulistana, do Festival da
USP, trouxe um orgulho e um troféu. Segue-se um debate, de uma lado, Santa Rita
com seus atores iniciantes, um espetáculo regionalista, ESPANTA GATO, uma
interpretação justa e corajosa, de jovens talentosos, e, do outro lado, um
espetáculo clássico, O INSPETOR GERAL, do renomado dramaturgo Nikolai Gogol,
feito por acadêmicos, gente que estuda profundamente a arte de representar e
fomos vitoriosos na batalha do debate. Depois, surgiam vários espetáculos, EU
CHOVO, TU CHOVES, da renomada Silvia Orttof, espetáculo infantil, onde fizemos
uma turnê de Fevereiro a novembro de 2006, em todo eixo escolar municipal da
grande Santa Rita ,patrocinada pela Secretaria de Educação, através do Ong
Emcumbe. O ANJO E A SERPENTE de Jacinto Moreno, PALHAÇOS de Marcos Pequeno, o
VELÓRIO de Elpidio Navarro, e muitos outros, sob a direção de Jacinto Moreno. O
antigo teatro municipal, chamado "Teatro Oficina das Artes",
funcionava no bairro da Liberdade (Centro) e foi demolido pelo poder público
municipal, para dar lugar a um banco particular. Juntamente, foram extintos a
banda filarmônica e o grupo de cultura popular Massapê, que ali existiam.



Atualmente a cidade só dispõe de um
teatro particular no Conjunto Tibiri  II 
.  O teatro, de propriedade do
dramaturgo, professor, ator e diretor teatral Ivonaldo Rodrigues (cujo teatro
tem seu mesmo nome). Neste mesmo teatro todos os anos acontece o
"Festaty" (Festival de Teatro de Tibri II), que vai na sua
décima-quinta edição. Além de um festival anual, o Teatro Ivonaldo Rodrigues
faz já há três anos a "Mostra Cultural", que dura um semana e
acontece sempre no mês de maio.



 



Admin · 6 vistos · Deixe um comentário
09 Maio 2016 


Fabio Mozart escreveu: "Gabriel, o verdadeiro anjo
pornográfico



 



Tarcísio Pereira ainda era pobre e ajudava a manter o teatro
Cilaio Ribeiro, da Federação Paraibana de Teatro Amador com seu parceiro de
palco e de bar, meu compadre Jacinto Moreno. Em cartaz, a peça “Amor à meia
luz”, furor pornô-erótico da época, uma espécie de Pastoril profano em moldes
mais “sérios”, de autoria de Moreno, tendo como ator principal o jovem Gabriel
no máximo de sua grandeza interpretativa, no papel de um rapaz que come a
mocinha nas mais delirantes peripécias.



 



Porém, e sempre tem um porém, a real esposa do ator Gabriel
jamais se convenceu do distanciamento interpretativo do galã, principalmente
nas cenas tórridas. O texto sofreu toda sorte de cortes e censuras, mas sempre
sobrava aquela parte em que a personagem de Gabriel se atracava com a mocinha,
os dois devidamente nus.



Foi durante a festa das Neves, teatro lotado, a peça teve
início com o reprimido Gabriel já mandando ver na sua heroína, quando à meia
luz aparece a mulher do canastrão carregando mais brabeza do que uma lata cheia
de siri. O porteiro Tarcísio Pereira ainda tentou barrar a entrada da megera
disposta a baixar o fogo do ator a golpes de Gillette. Jacinto Moreno, que
fazia a luz do espetáculo, foi chamado ás pressas à portaria, na tentativa de
botar panos quentes no incidente que ameaçava a função.



 



De comédia de erros e costumes, a peça descambou para a
baixaria pura e simples. A furiosa mulher enfiou a mão nas respectivas fuças da
equipe técnica e entrou em cena, disposta a comer o fígado de Gabriel. A
platéia foi ao delírio, crente de que se tratava de peripécias do enredo.
Jacinto tentava acalmar o conflito, aos berros:



 



--- Senhoras e senhores, pedimos desculpas pela situação,
isso não faz parte do espetáculo!



 



Foi quando se deu a cena de sangue. A senhira Gabriel rasgou
a marcado Zorro na cara do galã com seu estilete, a matéria desceu e a policia
foi chamada.



Na delegacia, faltou pouco para que toda a troupe fosse
dormir no xilindró. Moreno era o mais exaltado:



 



--- Ela me chamou de fresco! Quero meus direitos autorais de
macho!



 



Terminada a acareação, foi todo mundo para a bagaceira da
festa das Neves tomar São Paulo com tira-gosto de churrasco de gato.



 



Gabriel pediu divórcio por “incompatibilidade de gênero”.
“Vou arriscá-la completamente da memória”, prometia o violentado ator.



 



Tarcísio Pereira, Jacinto Moreno, Marcos Veloso"



 



Ver publicação



Admin · 2 vistos · Deixe um comentário
09 Maio 2016 


 



Siéllysson



Café com Siéllysson entrevista o
teatrólogo Jacinto Moreno



Entrevista 30http://2.bp.blogspot.com/-adwOrntN0dg/VNmTaEJNbJI/AAAAAAAAA48/bbQzEb_hE98/s1600/1959377_718785404839097_4578018077123483603_n.jpg



 



Ele nasceu em Tenente Ananias no Rio
Grande do Norte, mas adotou Santa Rita em seu coração, paixão esta que gerou
filmes em nosso município, montagens de grupos teatrais, ministrou cursos e
levou o nome da cidade para Portugal por meio do seu premiado filme “ Aparição”
e “Cova da Iria”. Jacinto Moreno é o entrevista de Café com Siéllysson.



Depois
de meses guardada, finalmente lanço a entrevista do teatrólogo e cineasta
Jacinto Moreno, peço desculpa aos leitores do blog e ao artista que esperou
pacientemente por mais uma de tantas entrevistas dadas a blogs, jornais,
televisão... Meu sincero pedido de desculpa e meu eterno agradecimento a este
homem que só engrandece nossa cidade.



SIÉLLYSSON - Quando despertou em você o
interesse pelo teatro?



JACINTO - Desde criança eu ia pra o
cinema, aí fui me despertando, àquela curiosidade de ver as pessoas fazendo
aquilo, então eu disso “um dia que quero fazer isso”. Foi lá em Souza onde tudo
começou, começou da curiosidade de querer ser e fazer aquilo que os atores em
cena faziam.



SIÉLLYSSON - Quantos anos você tinha na
época?



JACINTO - Tinha meus 12 anos. Daí eu
fui morar em Mossoró, no Rio Grande do Norte, mais ou menos em 1974 eu percebi
que tinha um grupo de teatro por lá e ia ver.  1976, Vim morar em Patos, onde passei um ano,
lá um primo meu fazia teatro, fiquei curioso e quando voltei pra Mossoró, vi
uma propaganda no SESC sobre “Plufts, o fantasminha” eu fui assistir o
espetáculo, daí me apaixonei e não parei mais, participei em seguida como ator
em vários espetáculos.



SIÉLLYSSON - Sua primeira participação
no teatro foi por meio de uma peça criada por você ou foi de algum diretor?



JACINTO - Como ator,  eu fui trabalhar com  Iremar Leite, 
compositor, que era diretor do SESC, lá em Mossoró; trabalhei algum
tempo com ele e por motivos de família eu tive que abandonar o teatro, meus
pais não queriam, por isso, fui expulso do grupo, porque deixei três
espetáculos inacabados. Fiquei na época muito chateado com meus pais, fiquei
revoltado. Certo dia quando eu estudava na Escola Técnica de Mossoró me
chamaram pra fazer uma peça, fiz um personagem do “O Pagador de Promessa” que
era uma adaptação do texto de Dias Gomes. A partir daí foi quando eu comecei a
montar meus espetáculos e pela primeira vez passei a desobedecer aos meus pais.
Eu já era maior de idade  quando  desobedeci aos meus pais, falei pra eles:
“Olhem, eu vou fazer teatro, vocês me desculpem, mas eu não vou desistir não”.
Foi aí que eu comecei a dirigir por necessidade em 1977 e um ano depois comecei
a escrever espetáculos.



SIÉLLYSSON - O que é ser diretor por necessidade?



JACINTO - Eu senti necessidade de ser
diretor porque eu não tinha um diretor pra dirigir os papéis que eu queria
fazer. Como eu já tinha um pouquinho de experiência como ator, convoquei o
pessoal e disse “Olha gente, eu vou dirigir este espetáculo.” E fiz a primeira
direção, a segunda, e até hoje estou dirigindo. Graças a Deus (risos) porque adoro dirigir.



SIÉLLYSSON - Você já fez vários curtas
e agora estreou seu primeiro longa. Quando o seu interesse passou do teatro pra
o cinema?



JACINTO - Em 1984 eu vim morar em
João Pessoa porque meu pai tinha adoecido, ele veio fazer uma cirurgia. No
finalzinho de 1984 a TV Globo esteve aqui em João Pessoa pra fazer a novela,
Vereda Tropical, eu tinha chegado há pouco tempo e,  Tarcísio Pereira, que até hoje é meu amigo, me
incentivou a fazer participação nas gravações, mas a TV só chamou quem tinha a
carteirinha de ator de teatro, eu não tinha na época. Eu entrei por baixo da
perna do cara lá e consegui entrar no ônibus e fui pra o Hotel Tambaú e lá me
entrosei com o pessoal e participei de uma cena na novela. No teatro Lima
Penante, no mesmo período eu estava com Fernando Mercês, começamos a montar o
espetáculo que se chamava “O Arquiteto e o imperador da Síria” começamos
ensaiar, mas sem diretor achamos melhor parar, daí eu tive conhecimento que
Tarcísio estava montando um espetáculo “A Cabeça da Santa” e fiquei trabalhando
com ele nesta peça e fiz outros espetáculos sob a direção de Tarcísio Pereira,
como “Um dia serei Suzana”. Também trabalhei com Eliezer Rollin.  Eu já tinha  escrito algumas peças quando  morava em Mossoró, aqui, em João Pessoa,
continuei escrevendo e montando os meus textos.  Montei 
“O Vaqueiro Nordestino” que era a história do meu avô, e não parei de
escrever e montar meus trabalhos.














http://4.bp.blogspot.com/-mOwJBjp2-ZY/VNmR_SQIW6I/AAAAAAAAA4g/sMd26LQnr2k/s1600/Um%2Bdia%2Bserei%2BSuzana%2BTarc%C3%ADsio%2BPereira.jpg




FOTO  de  Tarcísio Pereira de 1985,
disponível na internet.





 



SIÉLLYSSON - E o cinema? Quando você
resolveu dirigir curtas?



JACINTO - Fui convidado pra fazer um
filme “A Árvore de Marcação” (1999), veio uma equipe do Rio de Janeiro e foi
pra cidade de Marcação e por meio de Fernando Mercês,  foi feito o convite; eu trabalhei como ator e
trabalhei na produção executiva do filme. Em 2000, eu participei  de três filmes de Carlos Dawling, depois fui
convidado pra fazer O Meio do Mundo” de Marcos Vilar, fiz um filme de Torquato
Joel,  “Transubstancial”, fui então,
convidado pra fazer cinema na Paraíba. Daí fui pegando a técnica porque sempre
fui curioso, enquanto o diretor estava ali preparando o equipamento eu pedia
permissão pra eu me aprender, me aproximar mais deles porque eu já tinha
pretensão de fazer o que eles estavam fazendo. Aproximei da equipe técnica, do
diretor de fotografia e fui aprender como manusear e resolvi fazer os meus
próprios filmes.



SIÉLLYSSON - Qual foi o primeiro deles?



JACINTO - O meu primeiro filme foi um
documentário sobre o artista plástico Geraldo Correia aqui em Santa Rita.
Entrei na Prefeitura de Santa Rita em 1999, desde então me apaixonei pela
cidade, e sempre tive essa loucura de fazer alguma coisa em Santa Rita. O Documentário
é “Geraldo por Geraldo” (2007) onde ele conta tudo da vida dele e suas
exposições até mesmo no exterior, como ele gostava muito de Santa Rita terminou
voltando. Em seguida eu fiz “Táxi” (2008) que é uma ficção, história de uma
lenda urbana. Depois eu fiz “O Anjo e a Serpente”  gravado boa parte em Santa Rita, com atores
santa-ritenses, que conta a história de duas crianças que se apaixonaram e o
pai ao perceber e manda o filho para o seminário, gravamos na Capela de São
Sebastião, em Tibiri Fábrica, gravamos também em Itabaiana.














http://2.bp.blogspot.com/-w3ejv0qSWOY/VNmSmnXtWpI/AAAAAAAAA4o/HljeGk8GvpM/s1600/551694_242236269224871_847597617_n.jpg




Cartaz do filme "Táxi"





 



SIÉLLYSSON - Você trabalha muito com
atores de Santa Rita, formou equipe de teatro aqui tanto de teatro quanto um
grupo de atores para o filme “A Aparição”. Como surgiu essa paixão pela cidade?



JACINTO - Eu me apaixonei por Santa
Rita desde que eu comecei a trabalhar aqui. Eu estava na Secretaria de Cultura,
passei muito tempo trabalhando lá e hoje tô ainda, na época trabalhava com
montagem de peças teatrais, ao mesmo tempo fazendo meus filmes, eu me senti na
obrigação de trabalhar com meus alunos eram meus amigos também, a exemplo
de  Laura Domingos, Pupa Dias, Juliete
Figueiredo, Israel Nunes,  que
infelizmente ingeriu veneno de rato e faleceu, e,  nada mais justo do que trazê-los pra trabalhar
comigo no cinema, apesar de trazer atores profissionais de João Pessoa, a exemplo
de Fernando Mercês, Adriana Felizardo, eu trabalho com profissionais, amadores
e aqueles que querem contribuir com sua participação no cinema.



SIÉLLYSSON - E como surgiu a proposta
de você trabalhar com a Série Televisa “Geração Saúde 2”?



JACINTO - A “Geração Saúde 2” saiu na
internet  convocando pessoas para se inscreverem para um teste.
Eu fiz primeiro na internet e fui convocado pra fazer o teste pessoalmente do
papel do velho dono da barraca,  Seu
Romero,  que tinha a preocupação de tirar
os jovens das drogas, ele formava um time de futebol. Fui eu e Fernando
Teixeira e passamos no teste, depois fiz outro teste e a diretora me escolheu
pra o personagem. Fizemos a minissérie que são15 episódios, eu estou em 12.














http://4.bp.blogspot.com/-tR1Y67ZfSBU/VNmS0l_eKFI/AAAAAAAAA4w/yTFx8k7KDL0/s1600/1518032_698246903623803_1424156549481812459_n.jpg




Foto: com Fernando Teixeira de Jacinto disponível
na internet





SIÉLLYSSON - “A Cova da Iria” é o curta
do filme “ Aparição” que você fez recentemente, com este filme você participou
de festivais no Brasil e foi para Portugal, como foi que se deu este convite
para apresentar seu trabalho em Portugual no
 Farcume?



JACINTO - Eu tive uma sorte grande,  Deus sempre está ao meu lado, não sei se foi
pela temática também de um fato que se passou em Portugal. O filme “ Aparição”
eu fiz uma versão da história original que se passou em Portugal na cidade de
Fátima em 1917. Juntei atores de Santa Rita: 
Ivonaldo Rodrigues ( Padre  Jovem), Laura Domingos ( Lavadeira), Manoel
Felipe ( Josué), de João Pessoa: Rosandro Aranha ( Padre Velho),  suas 
filhas,  Raissa Aranha
(Lúcia),  Rannya  Aranha ( Jacinta) e meu filho, Pedro Rafael (
Francisco). Edilete Bezerra,( Jornalista) 
e é Diretora de Artes, filmei em Santa Rita em duas localidades,
incluindo Várzea Nova; filmei também em João Pessoa. Foi meu  primeiro longa metragem com 70 minutos, tive
ajuda do Dr. Rosandro que contribui muito pra realização do filme, Aproveito
aqui pra agradecê-lo, e a todos os amigos, atores que participaram.  Como já venho participando de Festivais por
todo Brasil, eles aceitam curtas de no máximo 18 minutos, e no mesmo momento em
que eu estava editando o longa “ Aparição” eu editei “Cova da Iria”, curta,  para participar dos festivais. Nós ganhamos,
graças a Deus, o Festival do SESC, aqui em João Pessoa, fomos participar do
Festival de Boa Vista-PB FARCUMI em nível internacional e fomos premiados para
exibir nosso filme em Portugal, (Festival que aconteceu em 27 a
29 de agosto de 2014
). Já estamos com outra classificação no
Festival Farinha, em  Patos- Pb, já em
nível internacional.



SIÉLLYSSON - Você leva o nome da cidade
de Santa Rita pra o Brasil todo, agora para Portugal, você recebeu em algum
momento apoio financeiro da Prefeitura pra isso?



JACINTO - Em 2003 eu montei o
espetáculo “Espanta Gato” aqui em Santa Rita, e graças a Deus o espetáculo foi
muito bem visto na USP, eles gostaram muito, o prefeito na época Severino
Maroja nos ajudou e passamos uma semana no festival. Já no dia 07 de setembro
desfilamos com uma facha descrevendo sobre a aceitação do Espetáculo em São
Paulo; lá divulgamos a cidade, por meio de material expositivo. Recebemos um
troféu e desfilamos com ele, mas que hoje não tem mais nada disso na
Prefeitura, perdemos tudo com a transformação do teatro no Banco (Governo de Marcus Odilon) infelizmente perdemos todo
nosso material cênico que tínhamos lá.



Eu fui pra Portugal para o festival
em Faro, passamos em Fátima, fui com o apoio do Prefeito Severino Alves Barbosa
Filho (Netinho). Conheci ele em Várzea Nova há tempos atrás, sempre nos apoiou.
Agora prefeito, nesse fase transitória, bastou o ofício chegar nas mãos dele
que ele disse: “Libere o dinheiro, quero que Jacinto viaje pra Portugal
representar nossa cidade lá”.



 



http://3.bp.blogspot.com/-80Sr0wcGoCI/VNmUM-EWDrI/AAAAAAAAA5I/KWkrbKQBdfQ/s1600/58826_303320863116411_1661329926_n.jpg



 



SIÉLLYSSON - Você falou comigo antes de
começarmos a entrevista que você não faz política você faz arte...



JACINTO - Sim, faço arte e tenho que
agradecer ao prefeito Netinho, que é político, que me ajudou a realizar este
trabalho, que se não fosse ele, nós não teríamos como ir.



SIÉLLYSSON - Completando a frase (risos)... esta é sua missão. (Ele rir) sim.



SIÉLLYSSON - Que mensagem você deixa
aqui para quem quer se enveredar por este caminho da arte, do teatro, do
cinema?



JACINTO - Olha, é uma batalha árdua
que eu venho enfrentando há muito tempo. Quem pretende começar que tenha força
de vontade, coragem e enfrente o que vier. Tenha fé em Deus, pois Deus é o
pilar que sustenta tudo.



 



Entrevista realizada em 2015.



Admin · 6 vistos · Deixe um comentário

Página precedente  1, 2, 3, 4  Próxima página